Uma aventura pela América Central, México e Cuba

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Ir à América Central não é tão comum. Na verdade, só conheço um amigo que se aventurou por lá. Na nossa viagem, eu e meu esposo Ricardo encontramos alguns turistas estrangeiros, mas nenhum brasileiro. Talvez a curiosidade e a vontade de conhecer o desconhecido tenham sido os fatores que mais nos incentivaram na escolha deste destino para a nossa viagem de férias.

Foi cansativo. Viajar por 30 dias (de 28 de abril a 27 de maio de 2007) de ônibus e vans em estradas não muito boas não é nada confortável, porém, a aventura valeu a pena. Ao todo, foram 8 países.

Como característica principal do continente, destaco o clima quente e a mata exuberante (sendo mais preservada na Costa Rica e em Belize) nas estradas. Estas são, em geral, bem ruins, com exceção das do México. Nas estradas da Costa Rica e Belize, não há acostamento e, nas pontes, só é possível passar um carro de cada vez.

A música é uma constante. Em todos os veículos de transporte utilizados, vans ou ônibus, sempre há um CD tocando salsa, merengue ou outro ritmo caribenho. Os ônibus são velhos e antigos, só modernizando-se no México.

A comida, em geral, é servida em grande quantidade, bem apimentada e acompanhada de tortillas (pães) de milho, cujo gosto não nos agradou muito. Uma jarra de água (só não posso garantir se era água mineral) para acompanhar a refeição é servida gratuitamente em quase todos os restaurantes, caso não se peça nada para beber.

As pessoas costumam ser mais fechadas, não muito hospitaleiras. A melhor receptividade foi na Guatemala e a pior, na Nicarágua. Talvez falte um maior preparo para o turismo. De qualquer forma, a viagem foi válida e recomendo aos aventureiros que gostem de desbravar novos horizontes. O conhecimento nos permite comparar culturas e estilos de vida e refletir melhor sobre os problemas do nosso país.

A maioria das capitais da América Central tem alto índice de pobreza. O trânsito é caótico, as buzinas são uma constante. E o mais triste: são muito sujas, há lixo por toda parte.

Quanto ao fuso horário, a maior diferença ocorre na Nicarágua, Guatemala e em Belize: 3 horas a menos que Brasília (DF). Nos demais países: menos 1 ou menos 2 horas.

A melhor época para visitar o continente é de abril a julho. No segundo semestre há risco de furacões, porém as condições são apropriadas até novembro.

Mais um detalhe importante: tente falar o espanhol da melhor maneira possível, pois se você esbarrar em uma vogal ou uma consoante será o suficiente para dificultar a comunicação. E prepare-se para perguntar mais de duas vezes o que deseja saber. Eles costumam não prestar muita atenção na pergunta e vão falando sem parar...

Embarque nessa viagem e boa leitura!

Read more...
Ocorreu um erro neste gadget

Visitantes (últimos 7 dias)

Translate this blog

Postagens populares

  © Blogger template On The Road by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP